Albert August Robert Hinsching – Meu bisavô paterno – 140 anos

Em comemoração ao meu bisavó que completou no dia 18/09/2018, 140 anos do seu nascimento na cidade de Blumenau/SC. Filho de imigrantes alemães, começou cedo os trabalhos na roça, aprendendo com o pais o oficio da marcenaria e carpitaria, soube que o trabalho engrandece o homem.

Conheça também…

Início de Vida

Filho de imigrantes alemães, filho mais velho do casal Theodor Hinsching e Bertha Eichstaedt. Nascido em Blumenau/SC no dia 18 de setembro de 1878, na rua Coronel Feddersen, entre a numeração 300, no bairro de Itoupava Seca. Morou até seus dois anos de idade neste local, e após uma grande enchente no ano de 1880, se mudou para Itoupava Velha, na rua Sarmento junto com sua família.

Casamento

Aos 20 anos de idade conheceu sua futura esposa, Louise Havenstein, através de uma festa de igreja que acontecia na localidade. Ela morava em Pomerode. Casou-se com 21 anos, com uma gravides inesperada de sua primeira filha Tekla, que veio a falecer com apenas nove dias. Após dois anos, teve a sua segunda filha Alma, que está recebeu nome em homenagem a sua madrinha e tia Alma Bertha Ulrike Hinsching.

Nova Casa – Luis Alves

Em 1913, junto com sua esposa e cinco filhos se mudaram para cidade de Luis Alves/SC onde comprou o terreno e construiu sua nova casa do estilo enxaimel. Nasceram o restante dos cinco filhos neste local.

Agricultor da roça, sempre trabalhou no pesado para manter a lavoura e os animais de criação, como porcos, galinha, cavalos. Na lavoura plantava aipim, batata, café e legumes e verduras em geral para tirar o sustento da família.

Anos mais tarde vendeu o terreno para seu filho mais velho o Robert Hinsching, onde foi morar em Corupá/SC. Também manteve sua criação de animais e lavoura, mas com um numero reduzido porque todos os seus filhos já haviam saído de casa cedo. Aos 63 anos de idade, com sua carroça com banana e dois cavalos, ao atravessar o trilho, foi atropelado pelo trem, onde seus cavalos morreram e sua carroça foi lançada para longe. Ficou muito machucado com o atropelamento e vindo há falecer poucos dias depois. Homem de poucas palavras, mas muito bom de coração. Sempre que seus familiares ou a vizinhança precisam dele fazia um saco com verduras, legumes, pães e os ajudava. Sempre foi visto por todos os familiares como um homem de “bom coração”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s