Fundação das Cidades de Santa Catarina

No começo com ondas migratórias de portugueses, alemães e italianos no estado, assim como travessias de bandeirantes portugueses vindos de São Paulo, iniciou o povoamento no estado de Santa Catarina. Hoje somos descendentes dos desbravadores em nosso estado.

Conheça também…

Ano de fundação das cidades

Lista das 25 primeiras fundadas no Estado de Santa Catarina.

MunicípioCriaçãoDesmembrado deObservações
1São Francisco do Sul1658
2Laguna1676
3Florianópolis23 de março de 1726LagunaDenominação anterior: Desterro
4Lages22 de novembro de 1766
5Porto Belo13 de outubro de 1832São Francisco do Sul
6Biguaçu1 de março de 1833Florianópolis
7São José1 de março de 1833Florianópolis
8Blumenau2 de setembro de 1850
9Tijucas4 de outubro de 1858Porto Belo
10Itajaí15 de junho de 1860Porto Belo
11Joinville15 de março de 1866São Francisco do Sul
12Curitibanos11 de junho de 1869Lages
13Tubarão27 de maio de 1870Laguna
14Araquari5 de abril de 1876São Francisco do SulDenominação anterior: Paraty
15Araranguá3 de abril de 1880Tubarão
16Brusque23 de março de 1881Itajaí
17Campos Novos30 de março de 1881Curitibanos
18São Bento do Sul21 de maio de 1883Joinville
19Camboriú5 de abril de 1884Itajaí
20São Joaquim28 de agosto de 1886Lages
21Imaruí27 de agosto de 1890Laguna
22Jaguaruna6 de janeiro de 1891Laguna
23Nova Trento8 de agosto de 1892Tijucas
24Palhoça24 de abril de 1894São José
25Campo Alegre17 de outubro de 1896São Bento do Sul

ciclo migratório catarinense

Partindo das células básicas desse patrimônio – que são as pequenas propriedades rurais –, estudando as casas que abrigavam as famílias, os ranchos que viabilizavam a subsistência, os núcleos rurais e os centros urbanos, o projeto busca proteger as evidências maiores do extraordinário ciclo migratório ocorrido no Brasil e extremamente bem representado em Santa Catarina. Os bens selecionados para proteção representam a trajetória de vida dos milhares de seres humanos que idealizaram, nessa parte do mundo, dias melhores para si e para suas famílias. Que o legado dos homens, mulheres e crianças que escolheram passar aqui a sua existência seja reconhecido pelos brasileiros de hoje e possa ser transmitido aos cidadãos do futuro.

Artigo: O PATRIMÔNIO DO IMIGRANTE.

início – Correntes imigratórias Portuguesas

Antes da chegada dos Açorianos ao Estado de Santa Catarinas as famílias já residentes eram descendentes dos bandeirantes vindos da Capitania de São Vicente e que fundaram as cidades de Nossa Senhora da Graça(São Francisco do Sul), Desterro (Florianópolis) e Laguna. As igrejas acompanharam as respectivas fundações das cidades:

Início da chegada dos porugueses ao estado.
  • 1658 -Fundação da Cidade de São Francisco do Sul- No mesmo ano foi finalizado a construção da primeira Igreja do Estado da Nossa Senhora da Graça – iniciativa do Capitão-Mor Manoel Lourenço de Andrade;
  • 1759 – Construção da Capela de São João Batista de Itapocorói(Penha) – iniciativa de Bento da Silva Veloso e Tomé da Silva Coutinho, após obterem licença do Bispo do Rio de Janeiro. (A capela era uma filial da Matriz de Nossa Senhora da Graça do Rio São Francisco.  Somente em 1815, com a visita pastoral do Bispo do Rio de Janeiro, Dom José Caetano da Silva Coutinho, a capela foi elevada à condição de curato);

Colonização Portuguesa – Ilha dos Açores

Arquipelago dos Açores
  • 1746 à 1758, vieram cerca de 6 mil açorianos (portugueses e madeirenses-portugueses nascidos na região da Ilha da Madeira/Portugal) para Santa Catarina;
  • 1777 – Invasão dos Espanhóis na Ilha de Santa Catarina (Desterro-hoje Florianópolis);
  • 1778 – Inaugurado a Real Armação Baleeira de Itapocorói – arrendado(locado) ao fidalgo português Joaquim Pedro Quintella – sobrinho do então falecido concessionário Inácio Pedro Quintela, protegido do marquês de Pombal. (Neste momento muitas famílias açorianas deixaram a região de Desterro (atual Florianópolis e foram morar ao norte, região de Itapocorói(Penha) para o trabalho de Armação de Baleeiras.
  • A vinda de açorianos e seus descendentes da Ilha de Santa Catarina para a região norte se intensificou nos primeiros anos do século XIX.
  • 1824 – até este ano – todos os moradores da região do Rio Camburiú(Atual Balneário Camburiú, Rio Itapocu ( Barra Velha) os registros eram realizados capelão da Capela São João Batista de Itapocorói (atual Penha); na região norte do estado era realizado na Matriz Nossa Senhora da Graça, de São Francisco;
  • 1824 – a partir deste ano – Criação do Curato do Santíssimo Sacramento de Itajaí, os moradores entre o rio Camboriú e o rio Gravatá (divisa entre Penha e Navegantes) passaram a ser atendidos pelo capelão curado da nova capela, que na época era o franciscano Frei Pedro Antônio de Agote. 
  • 1828 –foi aberto um único livro de Batismos para a freguesia de São João Batista de Itapocorói e Curato do Santíssimo Sacramento;
  • 1833Curato do Santíssimo Sacramento de Itajaí foi elevado à condição de freguesia, ou seja, paróquia;
  • 1834 – em diante – Itajaí passa a ter seus próprios livros para registros das pessoas que viviam nas regiões das atuais Camboriú, Balneário Camboriú, Itajaí, Navegantes, Ilhota, Luís Alves, Gaspar, e nos interiores das matas onde depois surgiram Brusque, Blumenau etc. A Capela da Armação de Itapocorói (São João Batista de Itapocorói – Penha) ficou atendendo os moradores entre o rio Gravatá e o rio Itapocu (regiões das atuais Penha, Balneário Piçarras, Barra Velha, São João do Itaperiú e, também, Itapocu, região que pertencia ao município de Parati, atual Araquari).
  • 1839 – criação da freguesia Nossa Senhora da Penha – a 6 km ao norte da Capela São João Batista, da Armação de Itapocorói, foi criada a freguesia de Nossa Senhora da Penha, tornando-se o centro daquela região, já que a armação baleeira estava em decadência, fazendo com que muitas famílias migrassem para outras paragens. Considerando-se a Capela da Armação e a Matriz de Nossa Senhora da Penha, temos livros de Batismos e Óbitos desde 1791, e de casamentos desde 1805.Com o passar dos anos, várias família açorianas e também francisquenses foram se deslocando para o interior. Nos dias de hoje, famílias que há 100, 150, 200 anos viviam no nosso litoral, são encontradas em cidades como Brusque, Botuverá, Vidal Ramos, Guabiruba, Presidente Nereu, Gaspar, Blumenau, Indaial, Rio do Sul, Rodeio, Jaraguá do Sul, Luís Alves, Massaranduba, Guaramirim, Corupá etc.

Colonização Alemã– Belgas – Poloneses

  • 1829 – Inicio da Colonização Alemã em Santa Catarina- Os colonos alemães migraram primeiro para de São Pedro de Alcântara, São José e Alto Biguaçu para a região de Itajaí, a maioria se instalando nos arraiais de Pocinho e Belchior, na atual cidade de Gaspar;
  • 1844Chegada dos Belgas na região de Ilhota;
  • 1850 – Criação dacolônia Blumenau, tendo como data oficial de fundação 28 de agosto de 1852.
  • 1850 – criação da Colônia Dona Francisca atual Joinville;
  • 1860 – fundação da Colônia Itajaí, atual cidade de Brusque, recebendo várias levas de imigrantes alemães, principalmente badenses. Porém, na região já havia habitado Vicente Ferreira de Mello (conhecido como Vicente Só), descendente de açorianos da Ilha do Pico que se instalaram em São José, migrando posteriormente para a região de Itajaí, onde a família ainda está presente nos dias atuais. Na recém-fundada Colônia Itajaí já estavam presentes outros imigrantes alemães: Pedro Werner, Franz Sallentiem e Paulo Kellner.
  • 1867 – criação da Colônia Príncipe Dom Pedro – imigrantes norte-americanos, ingleses e irlandeses;
  • 1869- Chegada dos primeiros imigrantes poloneses. Anos mais tarde a colônia foi anexada à Colônia Itajaí, passando a se chamar Colônia Itajaí-Príncipe Dom Pedro;

Colonização Italiana

Porto de Le Havre da França. Principal Porto usado para imigrantes Italianos.
  • 1875 – Início da colonização Italiana – Na Colônia Itajaí-Príncipe Dom Pedro, as linhas de colonização onde os imigrantes se instalaram inicialmente foram: Azambuja, Poço Fundo, Águas Claras, as margens do Ribeirão Alferes, já no Vale do Rio Tijucas, onde foi criado o núcleo Nova Trento, as terras da extinta Colônia Príncipe Dom Pedro, nas localidades compreendidas entre Cedrinho e o distrito de Porto Franco, atual Botuverá, também Barracão e Gaspar.
  • 1875 – Chegada dos Italianos na Região de Blumenau – Os imigrantes foram se instalando nas localidades que hoje são as atuais Blumenau, Ascurra, Indaial, Rio do Sul, Rodeio, Rio dos Cedros etc.
  • 1877 – Fundação da Colônia Luís Alves – Colonos italianos e austríacos, alemães e portugueses. Alguns anos depois, Luís Alves recebeu um grande número de famílias italianas vindas da região de Belluno.
Anúncios

4 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s