Início dos Escravos no Brasil

No dia 13 de maio de 1889 foi assinado o Fim da Escravidão no Brasil pela D. Isabel, Princesa do Brasil a regente neste momento. O documento assinado como Lei Áurea permitia extingir toda a escravidão no Brasil, desde o nascimento de escravos negros, comécio ou posse para sempre nas terras brasileiras.

Tela Jogo de Capoeira, de Johann Moritz Rugendas (1802-1858)

Conheça também…

Na época do Brasil Imperial, foi um grande passo que tivemos em libertar os escravos, mas com um olhar critico na história, o Brasil foi o último país do continente americado a “aceitar” a condição.

Imagem da Tela de Escravos.

Escravos em Portugal

A escravidão no Brasil, foi cultural, ou seja, desde os colonizadores portugueses, que aqui chegaram, já traficavam escravos vindos África para realização de trabalhos domésticos e operários, para atender a elite européia. Com a vinda de D. João VI para o Brasil em 1808, podemos dizer que chegaram aqui os portugueses -toda corte real portuguesa e com seus escravos, para continuar atende-los assim como era em Portugal.

Início dos registros no Brasil

Por falta de registros precisos, dos primeiros escravos que chegaram ao Brasil, acreditamos que a tese mais aceita é em 1538, Jorge Lopes Bixorda, arrendatário de pau-brasil, teria traficado para a Bahia os primeiros escravos africanos.

Escravos Africanos.

Eles eram capturados nas terras onde viviam na África e trazidos à força para a América, em grandes navios, em condições miseráveis e desumanas. Muitos morriam durante a viagem através do oceano Atlântico, vítimas de doenças, de maus tratos e da fome.

Fonte: Marc Ferrez/Moreira Salles Institute Archive

Os escravos que sobreviviam à travessia, ao chegar ao Brasil, eram logo separados do seu grupo lingüístico e cultural africano e misturados com outros de tribos diversas para que não pudessem se comunicar. Seu papel de agora em diante seria servir de mão-de-obra para seus senhores, fazendo tudo o que lhes ordenassem, sob pena de castigos violentos. Além de terem sido trazidos de sua terra natal, de não terem nenhum direito, os escravos tinham que conviver com a violência e a humilhação em seu dia-a-dia. A minoria branca, a classe dominante socialmente, justificava essa condição através de idéias religiosas e racistas que afirmavam a sua superioridade e os seus privilégios. As diferenças étnicas funcionavam como barreiras sociais.

Ao nascer do sol, escravos, faziam fila, caminho para a roça.

O escravo tornou-se a mão-de-obra fundamental nas plantações de cana-de-açúcar, de tabaco e de algodão, nos engenhos, e mais tarde, nas vilas e cidades, nas minas e nas fazendas de gado. Além de mão-de-obra, o escravo representava riqueza: era uma mercadoria, que, em caso de necessidade, podia ser vendida, alugada, doada e leiloada. O escravo era visto na sociedade colonial também como símbolo do poder e do prestígio dos senhores, cuja importância social era avalizada pelo número de escravos que possuíam.

3 Comments

  1. Os 400 anos de escravidão se passou, agora os descendentes querem e terão sua identidade e riquesas de volta. Os verdadeiros hebrews israelitas junto com seus irmãos os chamados vulgarmente de “indios”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s