Colonos Italianos da Colônia Azambuja e Urussanga

Os primeiros colonos que chegaram a Região de Orleans, Urussanga, Pedras Grandes,Vale do Tubarão, no sul de Santa Catarina que compreende a Colônia de Azambuja.

Colônia Azambuja

A Colônia Azambuja foi fundada em 1877 pelo engenheiro maranhense Joaquim Vieira Ferreira. Os colonos desembarcados em Morrinhos no dia 16 de abril de 1877, no dia 28 já estavam em Azambuja. Juntamente ao engenheiro Joaquim Vieira Ferreira, chefiavam os trabalhos os catarinenses Manoel Gregório, Manoel Miranda – com o filho Firmo, e Manoel Nazário, que veio com a família de Braço do Norte.
Os colonos foram localizados nos rios Pedras Grandes, Canela Grande e Armazém.

Estabeleceram-se no Pedras Grandes:

  1. Barroni, Giacomo
  2. Berti, Giuseppe
  3. Berti, Pietro
  4. Brocca, Luigi
  5. Caldana, Giovanni
  6. Canever, Luigi
  7. Carboni, Giuseppe
  8. Fornasa, Giacomo
  9. Fregnan, Basilio
  10. Folchini, Francesco
  11. Furghesti, Gregorio
  12. Girardi, Santo
  13. Manfredini, Giuseppe
  14. Modolon, Giovanni
  15. Nola, Giovanni
  16. Parisi, Giovanni
  17. Passaori, Giuseppe
  18. Pescarini, Antonio
  19. Scarduelli, Massimiliano
  20. Traldi, Leandro
  21. Vigarini, Luigi.

Rio Cintra ficaram:

  1. Araldi, Pietro
  2. Balzanelli, Francesco
  3. Bardini, Domenico
  4. Berlanda, Giuseppe
  5. Brulera, Giuseppe
  6. Burato, Angelo
  7. Carrara, Angelo
  8. Carrara, Carlo
  9. Cartelli, Antonio
  10. Cipriani, Domenico
  11. Caradini, Simone
  12. Grassi, Giacomo
  13. Margotti, Ambrosio
  14. Margotti, Domenico
  15. Minato, Davide
  16. Molon, Battista
  17. Nandi, Luigi
  18. Tunose, Giovanni.

No segundo confluente:

  1. Baggio, Luigi
  2. Benati, Licoride
  3. Bressan, Giovanni
  4. Caldana, Angelo
  5. Castagnini, Sebastiano
  6. Dalla Pegarrara,
  7. Folchini, Andrea
  8. Morselli, Domenico
  9. Perdonà, Alessandro
  10. Seremin, Pietro
  11. Vicentini, Fedele
  12. Zanella, Carlo.

No riacho do Norte, outro confluente do Pedras Grandes:

  1. Bortoluzzi, Bertolomeo
  2. Buzzinari, Antonio
  3. Certaro, Alessandro
  4. Chirico, Rocco
  5. Ferrari, Pietro
  6. Martinelli, Battista
  7. Pazzeto, Angelo.

Para o Canela Grande foram

  1. Accordi, Antonio
  2. Accordi, Luigi
  3. Benatti, Secondo
  4. Bolognino, Giovanni
  5. Brognolli, Agostino
  6. Cerzelo, Antonio
  7. Fretta, Giuseppe
  8. Lupi Porrini, Giovanni
  9. Macalozzi, Giacomo
  10. Mortari, Angelo
  11. Rossetti, Giacomo
  12. Silvestri, Giacomo
  13. Silvestri, Giovanni
  14. Zamnini, Agostino.

Foram para o Armazém:

  1. Baesso, Pietro
  2. Bonetti, Domenico
  3. Bonetti, Florindo
  4. Cataneo, Francesco
  5. Carboni, Luigi
  6. Cargnin, Giovanni
  7. Comelli, Ricardo
  8. Dandolini, Lorenzo
  9. Furlan, Valentino
  10. Furlanetto, Bellini
  11. Ghisi, Giuseppe
  12. Ghisi, Romoaldo
  13. Sandrini, Angelo
  14. Liberato, Eugenio
  15. Lotti, Carlo
  16. Minotto, Giovanni
  17. Nicoladelli, Pietro
  18. Negri, Domenico
  19. Orlandi, Giuseppe
  20. Peron, Pietro
  21. Pigarelli, Giacomo
  22. Zanella, Ferdinando
  23. Zamnini, Cirillo
  24. Zappellini, Giacomo
  25. Zappellini, Giovanni
  26. Zappellini, Gaetano

Na sede ficaram:

  1. Battaini, Bono
  2. Battaini, Giovanni
  3. Costa, Andrea
  4. Pelicera, Antonio
  5. Pescarini, Gaudenzio
  6. Tanchella, Giovanni
  7. Tassi, Paolo.

colonização de Urussanga

Em 1878, começou a colonização de Urussanga. Os imigrantes eram mais robustos do que os primeiros e não falavam o mesmo dialeto.

Os chefes de família eram:

  1. Barzan, Sartore
  2. Barzan, Felice
  3. Barzan, Francesco
  4. Recco, Andrea
  5. Bez, Pietro
  6. Bonato, Gaetano
  7. Bortoluzzi, Antonio
  8. Bortoluzzi, Celeste
  9. Brunel, Antonio
  10. Burigo, Fernando
  11. Burigo, Giovanni
  12. Burigo, Lorenzo
  13. Burigo, Luigi
  14. Damian, Giovanni
  15. De Bona, Giacomo
  16. De Bona, Martino
  17. De Brida, Domenico
  18. De Brida, Francesco
  19. De Coseto, Antonio
  20. De Costa, Giovanni
  21. Della Isidoro, Giuseppe
  22. De Lorenzo, Agostino
  23. De Lorenzo, Antonio
  24. De Lorenzo, Antonio Canever
  25. De Lorenzo, Antonio Frol
  26. De Lorenzo, Bernardo
  27. De Lorenzo, Felice Cancellier
  28. De Lorenzo, Francesco Canever
  29. De Lorenzo, Gaetano
  30. De Lorenzo, Giovanni Canever
  31. De Lorenzo, Giovanni Cancellier
  32. De Lorenzo, Giovanni Frol
  33. De Lorenzo, Olivo
  34. De Nez, Pietro
  35. De Pol, Giovanni
  36. Donadel, Luigi
  37. Feltrin, Domenico
  38. Feltrin, Gaetano
  39. Feltrin, Giacomo
  40. Bisi, Bartolo
  41. Fontanella, Natale
  42. Lazzarin, Marco
  43. Magagnin, Luigi
  44. Manarin, Antonio
  45. Marini, Felice
  46. Mazzuco, Agostino
  47. Mazzuco, Beniamino
  48. Mazzuco, Bernardo
  49. Mazzuco, Eugenio
  50. Mazzuco, Giacomo
  51. Mazzuco, Gioachino
  52. Mazzuco, Giovanni
  53. Mazzuco, Ignazio
  54. Meneguel, Pietro
  55. Passamai, Andrea
  56. Pillon, Stefano
  57. Pinco, Andrea
  58. Salvador, Giacomo
  59. Salvador, Giovanni
  60. Salvador, Luigi
  61. Savi, Catarino
  62. Savi, Celeste
  63. Savi, Eugenio
  64. Savi, Giacomo
  65. Spada, Bernardo
  66. Tezza, Giovanni
  67. Tramontin, Antonio
  68. Tramontin, Desiderio
  69. Tramontin, Giovanni
  70. Tramontin, Giovanni Maria
  71. Zan, Domenico Antonio.

No Rancho dos Brugres, estabeleceram-se:

  1. Cenin, Domenico
  2. Cenin, Giacomo
  3. Genovez, Pietro
  4. Grandi, Giovanni
  5. Grandi, Vittorio
  6. Longo, Antonio
  7. Longo, Giacomo
  8. Romagna, Giovanni.

Núcleo de Azambuja

Em “Colonização do Estado de Santa Catarina”, Florianópolis, 1917, Jacintho Antonio de Mattos diz que:
“O núcleo de Azambuja foi fundado a 28 de abril de 1877, no vale do rio das Pedras Grandes, afluente do Tubarão”.
“ Os primeiros colonos, em número de 76 famílias, desembarcaram no porto de Passo do Gado a 16 de maio e no de Morrinhos a 19. Foram recolhidos aos ranchos de hospedagem de Urussanga a 28 e localizados em seus lotes a 12 de junho, tudo em 1878”.
“Foram localizados até agosto (1880) 395 imigrantes”.
“Por decreto número 2.366, de dezembro daquele ano (1881), foi a colônia emancipada”.
“Por ocasião da emancipação, a população era de 1.820 almas de nacionalidade italiana, tendo havido desde o tempo da fundação 267 nascimentos, sendo 152 do sexo feminino e 115 do masculino. O número de óbitos foi de 85 pessoas, sendo 46 homens e 39 mulheres”.
“O número de imigrantes entrados pela Laguna no ano de 1881 foi de 474, que tiveram os seguintes destinos:
Azambuja: 279
Grão Pará: 191
Vila do Tubarão: 4
Total: 474”

Foto de Roque Salvan, em  http://paroquiasaoroque-mf.blogspot.com.br
ACERVO: GILSON “PAURA” FONTANELLA, COM A AJUDA DE NILSON DE BONA SARTOR, em  http://santanamineracao.blogspot.com.br

Refêrencias

AZAMBUJA E URUSSANGA – Memória sobre a fundação, pelo engenheiro Joaquim Vieira Ferreira, de uma colônia de imigrantes italianos em Santa Catarina. Desembargador Fernando Luís Vieira Ferreira. 2ª. Edição idealizada pelo Padre João Leonir Dall’Alba, com autorização da filha do autor, Maria Vieira Ferreira. Orleans – SC, 2001. (A primeira edição era de 1939, no Rio de Janeiro).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s