Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande – Linha São Francisco (História)

História

  • 1906 – A linha do São Francisco teve o primeiro trecho entregue pela E. F. São Paulo-Rio Grande indo até Joinville.
  • 1910 – Linha foi prolongada até Hansa (Corupá)
  • 1913 – Linha foi prolongada até Tres Barras
  • 1917 – Finaliza até Porto União da Vitória
  • Previsão era continuar até Foz do Iguaçu, porém neste último trecho jamais foi construído.

Interligação de duas ferrovias

A intenção do Governo do Império era interligar todo estado catarinense (e este ao resto do país) via duas ferrovias. Uma correria pela costa entre SFS e a região carbonífera (que jamais foi terminada além dos pequenos ramais entre as minas e as vilas da costa na região de Laguna/Tubarão), e outra no alto da serra (a única que foi de fato concluída, a ferrovia SP-RS).

Entre elas, haveria duas interligações, uma de Itajaí até o alto da serra (deixada pela metade e abandonada por absoluta inviablidade do trecho que já havia sido feito, ligando nada a lugar algum) e outra entre São Chico e Mafra, concluída com relativo sucesso por particulares (Percival Farquhar) abaixo da promessa de exploração da maderia.

Sem a ferrovia da costa, a maior parte litorânea do estado amargou níveis baixíssimos de desenvolvimento até que a BR101 fosse asfaltada, isso 70 anos depois dos projetos ferroviários gorarem. Há quem diga que foi de caso pensado, o pessoal “republicano” detestava as colônias européias do Sul e fez de tudo pra elas não conseguirem decolar ou mesmo as fez regredir logo após o golpe militar de Deodoro, Floriano e seus sócios.

Os impostos escorchantes pra quem quisesse vender produtos feitos no sul de Cananéia para cima (e que puseram fim ao engenho de cana do Cubatão, maior do país abaixo da Baia, puseram fim nas grandes caieiras, puseram fim nos engenhos de farinha) e a limitação das ferrovias aos trechos já existentes foram fatores fundamentais para o parco desenvolvimento que SC teve desde a Proclamação até os anos 50.

Aterro do Canal Linguado

Na verdade, em 1906 ainda estavam no entulho do linguado para construção da ponte, que foi concluída apenas em 1910, quando foi inaugurado o trecho até Hansa. Em 1906 foi concluída a construção do edifício da estação em Jlle, mas o tráfego do trecho até Hansa só foi possível em 1910, quando então iniciaram novo trecho – o da Serra, até SBS.

Nenhuma descrição de foto disponível.
1910 – Edição comemorativa da inauguração trecho Jlle-Hansa. Joinvillenser Zeitung, 1910 – acervo AHJ.
Nenhuma descrição de foto disponível.
1910 – Edição comemorativa da inauguração trecho Jlle-Hansa. Joinvillenser Zeitung, 1910 – acervo AHJ.

Entrocamento de Mafra

A linha se entronca com o Tronco Sul em Mafra e com a antiga Itararé-Uruguai em Porto União da Vitória.

Figura 4: Quadro sinótico do entroncamento ferroviário em Mafra/SC
Quadro sinótico do entroncamento ferroviário em Mafra/SC
Figura 6: Antiga ponte ferroviária para o Ramal do Rio Negro. Posição [3] no quadro sinótico
Antiga ponte ferroviária para o Ramal do Rio Negro. Acervo Elvis Pfützenreuter
Figura 13: Ponte do Tronco Principal Sul sobre o rio Negro, e AMV do triângulo de interligação com a Ferrovia São Francisco. Posição [6] no quadro sinótico.
Ponte do Tronco Principal Sul sobre o rio Negro, e AMV do triângulo de interligação com a Ferrovia São Francisco. Acervo Elvis Pfützenreuter

Último passeio de passageiros na linha

O último trem de passageiros, na verdade uma litorina diária, passou pelo trecho entre Corupá e São Francisco do Sul em janeiro de 1991. O trem misto que servia à linha já não existia desde 1985.

Depois disso, apenas alguns trens a vapor turísticos da ABPF têm percorrido a linha, principalmente na região de Rio Negrinho. O trecho entre Mafra e Porto União esteve durante anos abandonado, tendo sido recuperado durante o ano de 2004, mas continua com o tráfego muito escasso.

locomotiva Mallet 204, operando em Rio Negrinho, Santa Catarina
A imponente Mallet 204, desfilando pela Serra do Mar. Acervo de BENETH TORQUATO

Trem de Carga – ALL

O trecho entre Mafra e São Francisco tem grande movimento de cargueiros da concessionária ALL.

Ferroviária de São Francisco do Sul. Acervo Desconhecido.

Conheça as Estações Ferroviarias

Malhas Extras

Antiga Malha Ferroviaria Moinho – Estação Ferroviaria de Joinville

A linha férrea ligava o Cais do Mercado, o porto no Centro de Joinville, ao ramal de São Francisco do Sul e por este à estrada de ferro São Paulo-Rio Grande. De valor histórico, cultural, estético e econômico incalculável.

Ramal que passava no moinho trazendo trigo passava entre o mercado e rio e ia até a rua Sete de Setembro onde era a Usina Metalúrgica Joinville. Também trazia madeira de Pinho da Serra para o Porto do Bucarein

Alfredo Gramodow
Nenhuma descrição de foto disponível.
Acervo Desconhecido.

Construção da Linha

Foto: Construção da Linha São Francisco. Do livro “Claro Jansson, o fotógrafo do Contestado”, de Rosa Maria Tesser. (pg 126)

Autos de Linha

Fontes

2 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s