OS FRANCESES EM SANTA CATARINA (Antônio Roberto Nascimento)

Texto de Antônio Roberto Nascimento (link)

Pintura quadro – Chegada dos franceses por Kurt G. Hermann, 1920. Museu Histórico Municipal de São Francisco do Sul

Diz-se que Santa Catarina é um mosaico cultural formado por elementos das mais diversas etnias. Pouco ou nada se disse ainda sobre os elementos franceses e espanhóis que deram também seu contributo à cultura catarinense. Dos espanhóis tratamos em trabalho ainda não publicado; dos franceses trataremos aqui, sem intenção, contudo, de esgotarmos o tema.

A política lusa, quanto a Santa Catarina, conforme documento que já tivemos oportunidade de transcrever parcialmente (v. Blumenau em Cadernos, Tomo XXXII, n. 2, p. 35), foi de assentar os espanhóis “para a parte da Curitiba” (sic) e os franceses “para a parte do Tebiquari e Viamão” (1748) . Não sabemos até que ponto essa determinação foi cumprida, pois um século depois vamos encontrar muitos franceses assentados no litoral norte de Santa Catarina· O assentamento dos espanhóis, porém, é mais antigo, coincidindo com a data das instruções lusas.

O primeiro francês aqui radicado parece ter sido o ferreiro Henrique Doin (Cf. Amoldo Alexandre da Costa, S. Francisco do Sul, 1972, p. 60), natural de Paris, que partiu da França a bordo do Ibergantin “Jules” com destino a Montevidéu, onde che.gou em novembro de 1826, de lá voltando ao Rio de Janeiro pela corveta francesa “Zl3lée”, arribada ao porto carioca em marco de 1827· Veio para a Ilha de Santa Catari· na embarcado na sumaca “Bom Amigo”, de onde viaj ou por terra a São Francisco do Sul. Incumbido na feitura de novos sinos para a Matriz de N. SO. da Graça, uma vez “que se atrevia a fundir de novo os dois sinos” (Cf. Carlos da Costa Pereira, História de S. Francisco do Sul, p. 119), Henrique Doin, “francês de nação”, não logrou dar cumprimento ao contrato e teve de pagar quarenta mil réis despendidos com o aluguel de escravos para a remoção dos sinos. Era filho de Guilherme Doin e de Luiza Polar, tendo sido casado, em primeiras núpcias, com a Suzana Maria da Conceição, filha de Cipriano Inácio de Menezes e de Maria de Jesus, naturais da Ilha de Santa Catarina, neta paterna de João Inácio Espíndola e de Maria de Santo Antônio, naturais da Ilha Terceira, e materna de José de Menezes e de Maria de Santo Antônio, natural da Ilha do FaiaI, com quem teve a filha Maria, batizada aos 3.9.1831 (V. Livro n. 8 de batismos da Matriz da N. S3. da Graça), sendo padrinhos os avós maternos. Seu nome completo era Henriques Marins Nicolau Doin e foi casado, em segundo leito, com Ana Maria Wanner, também francesa, ao que supomos, filha ou irmã de Antônio Luiz Wanner, francês, morto aos 25.3.1874 (V. Livro n . 8 de óbitos da Matriz cit.), de hidropisia, com cerca de 60 anos, morador no Acaraí, já viúvo de sua mulher Maria Rosa de Jesus, Esse Antônio Luiz Wanner, Vané, ou Wanné, como foi grafado, era filho de Antônio João de Deus Wanner e de Leonor Maria de Jesus provavelmente franceses também. Em 1870, era o eleitor n. 302 do 12°. quarteirão, quando tinha 46 anos, era viúvo e lavrador (V. documento na Biblioteca Nacional, Relação de eleitores). Sua mulher era filha de Francisco José da Cunha Maciel e de Úrsula Rosa de Jesus, descendentes de colonos acoritas radicados nas proximidades da Penha. Supomos que Antônio Luiz Wanner fosse um, dos franceses egresso do Falanstério do Saí e empregado na serraria do Coronel Camacho no Itapocu (cf , W. F. PIAZZA, Fourierismo em Santa Catarina, Blumenau em Cadernos, Tomo XIII, p. 66). Antônio Luiz Wanner e Maria Rosa de Jesus também tiveram a filha (ou irmã dele?) Zeferina Wanner, que, em solteira, teve, com Domingos Aduce, também solteiro o filho natural Alexandre, batizado aos 19/06/1851 (v. Livro n. 11 de batismos da Matriz cit.) , tendo por padrinhos Pedro Raimundo e sua mulher Cristina Wanner· Um “Aducci”, em 1873, trabalhava na Alfândega em S. Francisco do Sul (informação colhida no Arquivo Judiciário). Cristina Wanner, a dita madrinha, talvez fosse filha, igualmente, desse francês, tendo sido casada com Pedro Raimundo David, estrangeiro, provavelmente francês, com quem teve a filha Luiza, batizada aos 24.11.1852 (livro n. 11 cit.), com três meses, tendo por padrinhos Luiz Wanner da Silveira e sua mulhle.r Ana Generosa de Jesus; o filho Nestor, batizado a85 5.11.1854 (v. Livro n. 12 de batismos da Matriz cit.), com três meses, tendo por padrinhos Joaquim José de Oliveira Cereal e sua mulher Maria Teresa; o filho Raimundo, batizado aos 15.6.1851 (v. livro n. 11 cit.) , com seis meses, tendo por padrinhos Leôncio Aubé, solteiro, e Josefina Deyrolle, casada; e a filha Leonor, batizada aos 3·12.1846 (v. livro n. 10 de batismos da Matriz cit·), em data bem próxima, portanto, da fundacão do Falanstério do Saí, a revelar a origem comum desses franc’ .3ses, afora o ,caso de Henrique Doin Sênior. Uma Inácia Maria Wanner, talvlez filha de Antônio Luiz Wanner e já falecida por volta de 1873, foi casada com Antônio José da Silva, com quem teve os filhos Veríssimo Antônio da Silva, casado com Firmina Martha da Conceição, Leopoldina Maria da Conceição, casada com seu parente Manoel Bento da Silva, Bernardino José da Silva, casado com Maria Francisca da Graça, e lVIanoel Marcos da Silva., casado com Maria das filha de Carlos Luiz Fernando Schlier, estrangeiro, e de Rita Maria da Conceição, consoante o batismo do filho Amir, aos 25 . 12 , 1879 {v . Livro n. 17 de hatismos da Matriz cit.), tendo por padrinhos João Domingos das Neves e sua filha Igolina Maria das N€·ves.

Antônio Luiz Wanner e Maria Rosa de Jesus Cunha Maciel tiveram o filho Victorino, batizado aos 14.11.1847 (v. livro n. 10 cit . ), com 14 dias, tendo por padrinhos José Francisco Maciel, solteiro, e Carolina Rosa de Jesus, solteira, com 20 anos e solteiro em 1878 (Arq. jud. francisquense). Tiveram, outrossim, a filha Josefina Maria das Dores, com 19 anos e solteiro em 1868 (id. ib.), casada, aos 14.3.1869 (v. Livro n. 8 de casamentos da Matriz cit.), com Joaquim da Motta Cardoso, filho natural de Faustina Ria de Jesus, neto pa· terno de Patrício da Mota e de Theodósia Maria. Tiveram, além dos já citados, a filha Carolina Maria das Dores, casada com José Pedro Maciel filho de José Francisco Maciel e de Florinda Joaquina de Santa Ana, morto aos 27.5.1887 (v. livro 1.0 de óbitos da Matriz cit.) em virtude “de envenenamento por mordedura de cobra” (sic). Tiveram, outros· sim, a filha Maria Lidia, casada, em 1°,11 .1879, em Joinville, com .José Tavares dos Santos, viúvo de Delizia Rosa de Jesus, filho de Manoel Antônio dos Santos e de Maria Rosa de Jesus, então já finada. Foi filha deles, outrossim , a Francisca Maria das Neves, casada com Antônio Budal Arins, viúvo de Andreza Maria da Graça, bem como a Laurentina Maria da Conceição, batizada aos 18.1.1846 (v. livro n. 10 de batismos da Matriz cit.), casada ,com Francisco Wileke, ou Wille· kekon” protestante, natural de Hamburgo, filho de pai de igual nome e de Catarina Wyzama. Antônio Luiz Wanner e Maria Rosa de Jesus também foram pais de José, batizado aos 6 .7.1849 (v. Livro n. 1tO de :batismos da Matriz cit.), com 25 dias, tendo por padrinhos Edoardo Deyrolle· e sua mulher Josefina Logeune (v. infra).

Um característico desses franceses radicados em Santa Catarina parecei ser, SE.O., a fácil integração na comunidade local, como se vê na frequência dos casamentos inter-étnicos, afora uma ou outra exceção. O sobredito Henriques Marins Nicolau Doin, ou Henrique Doin Sênior, como preferimos no· meá·lo, teve, de seu segundo leito, com Ana Maria Wanner, já finada em 1861, a filha Luiza, batizada aos 8.4 .1849 (v . Livro n. 10 de batismos da Matriz cit. ), tendo por padrinhos Francisco da Cunha Maciel e sua mulher Úrsula Rosa de Jesus; o filho Afonso, batizado aos 12.11.1850 (id. ib.); o filho Eusidório, batizado aos 20.11 .1839 (v . Livro n. 9 de batismos da Matriz ); e a filha Carolina Luiza da Conceição, casada, aos 15.9.1861 (v. Livro n . 7 de; casamentos da Matriz cit.), com Theodoro Wedekin, natural de Holtsshiment (?) , Reino de Hannover. Teve, além dos citados, o filho Frederico, batizado aos 16.2 .1843 (v. Livro n. 9 cit.), com dois meses, tendo por padrinhos Antônio Luiz Wanner e Maria Rosa de Jesus, e o filho Guilherme, batizado aos ‘25.5.1845 (id. ib,). Henrique Doin Júnior, outro filho, também ferreiro, qual o pai, foi casado, em primeiras núpcias, com Claudina Rosa de Jesus, filha de Libório da Cunha Maciel e de Ana Tomásia de Jesus, neta paterna de José da Cunha Maciel e de: Quitéria Inácia de Jesus, naturais de S. Miguel, e materna de Thomás Pereira da Rosa e de Justina Inácia de Jesus, todos descendentes de colo nos açoritas. Foi o inventariante dos bens de sua mulher em 1894 (autos extraviados, relação de inventários francisquenses. O filho Afonso Apolinário Doin, já viúvo de sua primeira mulher Escolástica Herminia Machado, tinha 34 anos aos 5.4 1884 (v.Livro n 9 de casamentos da Matriz ciL) , quando passou a segundo leito com Eugênia Maria da Conceição, filha natural de Leonarda Rita de Jesus· Era “artista” de profissão e teve, talvez do segundo matrimônio, filho João Flávio Doin, jornalista (Cf. Arnaldo S. Thiago, História da Literatura Catarinense, p. 502), irmão de Ewaldo Doin, administrador da fazenda em São Paulo. Em 1924, uma Maria Eugênia Doin. Maluche teve seus bens inventáriados por Frederico Maluche (v. relação de inventários francisquenses). O sobredito Theodoro Wedekin lera filho de Andreas Wedekin e de Magdalena Wedekin, ambos também naturais do Reino de. Hanover, conforme batismo do filho Ernesto, aos 10.2.1866 (v. Livro n, 14 da Matriz cit.), nascido aos 7 de agosto de 1865, e do filho Henrique, batizado aos 7.4 .1863 (id. ib . ), ambos havidos com sua primeira mulher Carolina Luiza Doin. Os padrinhos de Ernesto foram Henrique Doin Júnior com “a assistência de Emma Delitsch da Colônia D. Francisca”. Já de H’2nnque foram Henrique Doin e D. Maria Ba,cellar, representada por D. Jenny Engelk3. Henrique Doin Júnior teve seus !bens inventariados, em 1911, por Maria Pureza da Graça DOin, sua segunda mulher (v . relação de: inventários cit.)

Especialente ligado ao Falanstério do Saí, como já adiantado em outro trabalho, foi o francês León Ledoux, também grafado Ledoux León, Lodoux Leone e Leôncio Ledoux. Foi casado com Rosa Guizar, ou Guisard, também francesa, conforme batismo do filho Francisco, aos 13.7.1845 (v . livro n . 10 de batismos da Matriz cit.) , tendo por padrinhos Francisco José de Sousa, viúvo, e Gertrudes Carolina Teresa. León Ledoux e Rosa Guisard tiveram seus bens inventariados, em 1927, por Aníbal de Freitas Ledoux t v. relação de inventários cit.). O casal teve  também o filho Jorge, batizado aos 7.4.1849 (v . liv. 10 cit.), com nove meses, tendo por padrinhos Frederico Tomás e Josefina Nenevé , “todos naturais da Franca” (sic). O primogênito seria, ao que supomos, o Alberto Ledoux, casado com Carolina Maria, filha de Antônio Afonso da Costa e de Maria Angélica da Silva, conforme batismo da filha Eugênia, aos 30 de dezembro de 1881 (v. Livro n. 1,7 de batismos da Matriz cito fI. 223), nascida aos 29.10.1880, casada, aos 21. 2 .1922 (v. nota à margem do batismo), com Reinaldo Pereira Maia, tendo por padrinhos Victorino Alvés Jacinto e sua mulher Claudina. Alberto Ledoux e Carolina Maria da Conceicão também tiveram o filho Alexandre, batizado aos 2 de fevereiro de 1876 (v. livro n. 16 de batismos da Matriz cit.) , tendo por padrinhos Germano José da Silveira é sua mulher Luiza Joaquina de Sousa. Jorge Eduardo Ledoux: tinha 36 anos e era carpinteiro, aos 12.7.1884, quando -casou com Blandina Maria de Freitas, de 20 anos e lavradora, filha de João Laurindo Gomes de Freitas e de Ana Maria da Conceição (v. livro n. 9 de casamentos da Matriz dt.), moradores no Cubatão Grande, neta paterna de Laurindo Gomes de Freitas e de Florentina Vicência, naturais da Ilha de Santa Catarina, é, materna de Januário de Oliveira CercaI e de sua segunda mulher Joana Dias da Silveira, com quem teve os filhos Lindolfo, AníbaL Antônio, Maria e Georgina (v. Arnoldo Alexandre. da Costa, ob. cit., p. 37). George Eduardo Ledoux morava no Saí, onde nasceu sua filha Maria de Freitas, com 21 anos aos 17 . 2 .1909 (v. Registros da Catedral de Joinville), casou com João de Oliveira do Nascimento, morador no Boa Vista de 30 anos, filho de Antônio de Oliveira Borges e de Querina Afonso Moreira. Pela Resolucão de 31.1.1931, uma Amália Leal Ledoux foi nomeada professora da escola da Colônia do Saí (v. Coletânea de Leis de 1931).

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s