Encouraçado Riachuelo – Navio preocupou os EUA

O Navio Brasileiro que preocupou os Estados Unidos da América.

Texto de: Filipe Machado da Costa

Conheça mais…


D a t a s

  • Batimento de Quilha: 31 de agosto de 1881
  • Lançamento: 7 de junho de 1883
  • Incorporação: 15 de julho de 1884
  • Baixa: 1910

C a r a c t e r í s t i c a s

  • Deslocamento: 5.700 ton.
  • Dimensões:  97.72 m de comprimento, 15.25 m de boca e 5.94 m de calado.
  • Blindagem: de 178 à 280 mm nas laterais do casco; 254mm nas torretas principais e 254mm na superestrutura.
  • Propulsão: mista; vela, com três mastros armado em Barca, 8 caldeiras cilindricas a carvão e 2 máquinas combinadas de três cilindros a vapor, gerando 4.500 hp e acionando dois eixos.
  • Velocidade: máxima de 16,5 nós.
  • Raio de ação: ?
  • Armamento: 4 canhões de retrocarga Whitworth de 9 pol. em duas torres duplas, dispostas em diagonal, uma a BE e outra a BB; 4 canhões de 6 pol. em quatro reparos singelos; 2 canhões de tiro rápido; 15 metralhadoras Nordenfelt e 5 portinholas para lança-torpedos de 18 pol. sendo três na superficie e dois submersos.
  • Tripulação: 350 homens.

O Encouraçado Riachuelo e como ele representa o auge de toda glória da Marinha Imperial Brasileira:

O Riachuelo foi um encouraçado (navio de guerra) da Armada Imperial Brasileira, e por determinado período de tempo ele foi um dos mais temidos encouraçados do mundo.

Construção

Construído na Inglaterra pela companhia Samuda&Brothers a pedido do Ministro da Marinha do Brasil, o Almirante José Rodrigues de Lima Duarte, em 1880. O Ministro tinha intenção urgente de modernizar a Marinha Imperial, por isso pediu a fabricação dos Encouraçados Riachuelo e Aquidabã (Aquidabã era tão forte quanto Riachuelo, porém cerca de 2 nós mais lento).

Acervo Revista Marítima Brasileira.

Brasil

Chegando ao Brasil, aportou ao Rio de Janeiro em 13 de novembro de 1883, a embarcação foi subordinada à Esquadra de Evoluções, sob comando do Almirante Barão de Jaceguai. A Comissão Naval designada para acompanhar a construção e receber ambos os encouraçados foi presidida pelo Contra-Almirante José da Costa Azevedo, acompanhado pelo Engenheiro Naval Trajano de Carvalho.

NGB - Encouraçado de Esquadra Riachuelo
Acervo Revista Marítima Brasileira.

A introdução do Riachuelo representou uma significativa vantagem no poderio militar da frota brasileira.

Navios Brasileiros “Poderosos”

De acordo com o livro “The Late Victorian Navy” de Roger Parkinson (página 60):

“Esses dois navios [Riachuelo e Aquidabã] fizeram da Marinha Brasileira a mais poderosa do Hemisfério Ocidental. E tiveram uma significativa influencia no desenvolvimento da política naval dos Estados Unidos”.

Esse mesmo livro também conta de outro navio brasileiro, o Almirante Barroso, e diz que “era tão poderoso quanto os navios em posse da marinha européia.”

De acordo com o artigo “Remember the Maine, A First-of-its-Kind Warship” do site “USN History”, o Riachuelo deu à América do Sul um imenso avanço em termos de poder marítimo.

Hilary A. Herbert, Presidente da “House Naval Affairs Committee” (Comitê de Assuntos Navais) em 1883 alertou o Congresso dos Estados Unidos da América:
“Se toda essa nossa marinha antiquada fosse colocada em um arranjo de batalha no meio do oceano confrontada pelo Riachuelo, é de se duvidar que uma só embarcação portando a bandeira Americana retornasse aos portos.”

Segundo o mesmo artigo, este foi um dos grandes motivos para que o Governo Americano se preocupasse em modernizar logo a sua Marinha, e assim foram criados os primeiros navios armados de batalha da Marinha Americana, USS Maine e USS Texas.

O armamento do Riachuelo contava com:

  • 4 canhões de 229 mm (9,0 in);
  • 4 canhões de 140 mm (5,5 in);
  • 11 metralhadoras de 25 mm (0,98 in);
  • 5 metralhadoras de 11 mm (0,43 in);
  • e 5 tubos lança-torpedos

A blindagem do Riachuelo era de:

  • 178 a 280 mm nas laterais do casco;
  • 254 mm nas torretas principais;
  • e 254 mm na superestrutura

O encouraçado também contava com uma tripulação de 367 homens (e oficiais) e uma velocidade de 16.5 nós (30,56 km/h).

O Riachuelo é, claramente, uma demonstração de como a Marinha Imperial Brasileira era poderosa e temida quando bem investida. Também é claramente uma prova de como o Brasil pode se destacar no cenário internacional se tiver um governo que faça um bom trabalho.

Acervo Revista Marítima Brasileira.

Façamos como a Armada Imperial Brasileira fez sob proteção do Imperador Dom Pedro II, vamos novamente erguer o Brasil para toda a glória que ele nasceu para ter!

R e l a ç ã o    d e    C o m a n d a n t e s

ComandantePeríodo
CMG Eduardo Wandenkolk15/07/1884 a __/__/188_
CF José Cândido Guillobel__/__/18__ a __/__/18__
CMG Luiz Philippe de Saldanha__/__/1889 a __/__/189_
CT Alexandrino Faria de Alencar__/__/1889 a __/__/1889
CMG João Justino Proença__/__/1893 a __/__/189_
CMG Alexandrino Faria de Alencar__/__/1900 a __/__/190_

B i b l i o g r a f i a

  • Mendonça, Mário F. e Vasconcelos, Alberto. Repositório de Nomes dos Navios da Esquadra Brasileira. 3ª edição. Rio de Janeiro. SDGM. 1959. p.221-222.
  • Dantas, Ney. A História da Sinalização Náutica Brasileira e breves memórias, Rio de Janeiro. Ed. FEMAR, 2000.
  • A Marinha por Marc Ferrez – 1880-1910 – Rio de Janeiro, RJ, Brasil – 1986, Editora Index – VEROLME.
  • Revista Marítima Brasileira, vol. 120, n.º 7/9, jul./set. 2000.
  • Boiteux, Lucas Alexandre. Das Nossas Naus de Ontem aos Submarinos de Hoje.
  • http://www.naval.com.br/ngb/R/R017/R017.htm

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s